Eu, eu mesma e o chá: minha primeira experiência transcendental com ayahuasca

Semana passada tomei ayahuasca pela primeira vez. E assim que a luz acendeu, embora as coisas ainda não tivessem voltado ao anormal (sim, porque a gente é que vive do jeito errado. O certo é perceber o mundo em detalhes), coloquei a mão na cabeça e pensei, atônita: o que vai ser da minha vida daqui pra frente?

O que eu vou fazer com as coisas que entendi aqui? Porque eu sempre tive uma intuição legal, mas você ver cada peça no seu quadrado, observar claramente o que está sentindo, pode ser a pior coisa que poderia te acontecer.

Porque você se resolve, mas não resolve os outros. Tomar aquela poção não faz com que você advinhe como as demais pessoas envolvidas nas situações estão vendo o mundo, e muito menos como irão agir.
No máximo, você entende os sinais, recebe fichas pra juntar e no final da promoção trocar por uma resposta. O lance é que essa promoção pode durar anos.

Um exercício que fiz lá foi saber o quanto me importo com algumas histórias. Então, deitada na esteira, fui arremessando, lá pro meu interior, figuras de pessoas. Fui no clichê, joguei o cara que eu gostei muito há uns anos e agora fiz as pazes. Joguei o cara que me fez superar todos os meus limites e me tornar produtora. Joguei meu ex-chefe. Joguei meu emprego. Joguei minha mãe.

As respostas foram incríveis. Incríveis. Alguns, apenas foram solenemente ignorados. O que eu menos esperava uma reação, me fez chorar loucamente ao entender como foi maravilhoso ter tido o privilégio de viver aquilo. Uma pessoa que joguei, virou outra. É com aquela outra que um dia eu precisarei me resolver. Outra fez girar uma energia que ia dos pés à cabeça. Uma foi protagonista, só dava ela, não só naquele momento.

Nada era irreal. Não é um porre em que você ama todo mundo, em que acha que tudo vai dar certo e manda uma mensagem dizendo qualquer coisa que vá se arrepender loucamente em algumas horas.
Se eu estivesse com meu tablet ligado ali, pessoas teriam recebido mensagens lindas, de puro agradecimento por existirem perto ou longe na minha vida.

Nessa semana, soube que eu tinha toda razão em me preocupar. Nada será como antes. Não recomendo que vivam essa experência se não estiverem com estabilidade pra segurar a onda quando tudo começa a mudar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s